Tinta lascada, opaca e riscada não apenas afetam a aparência do veículo, como também têm um forte impacto na hora de avaliar seu usado para venda. Repintar o carro é impensável, a não ser como parte da restauração de um modelo de colecionador por conta do alto custo, e os reparos também não são baratos, além de não garantirem o resultado ideal.

Portanto, a dica é mesmo cuidar da pintura do seu possante enquanto ele está com você. Reunimos algumas práticas simples para manter o automóvel como novo por muito mais tempo. De acordo com Fábio Shimozato, gerente do laboratório de desenvolvimento da divisão de Tintas Automotivas da Basf, a camada da tinta que mais sofre desgaste, em condições cotidianas de uso, é o verniz, que é a mais externa.

"O verniz é a camada protetora da tinta, que por sua vez tem o papel de proteger a carroceria do veículo. Ele pode ficar opaco com a exposição prolongada ao sol, a riscos e outras abrasões, que também podem ser causadas pelo uso de produtos químicos inadequados na hora da limpeza, como solventes. Dependendo da extensão do dano, só resolve com polimento", alerta.

SOMBRA E ÁGUA FRESCA

De acordo com ele, o ideal é lavar o carro regularmente, a cada duas semanas, em média, utilizando sempre produtos específicos para limpeza de pintura automotiva e esponja macia, não abrasiva. "São produtos projetados para não deixar resíduos químicos após a limpeza, que poderiam causar manchas no verniz. Depois de lavar, retire toda a água, os resíduos e seque o veículo com uma flanela limpa e macia, na sombra. A exposição ao sol nessa fase pode agir sobre minerais da água e manchar a superfície", ensina.

Ao encerar a lataria, também prefira fazê-lo na sombra, pois isso evita que o material protetor seque muito rápido. Assim, dá tempo para passar a flanela, dar o lustro e remover o excesso de cera.

Outra dica é não deixar o carro sob o sol e embaixo de árvores, de onde frutas, resinas e fezes de pássaros podem facilmente cair sobre a lataria. A ameaça do sol e do calor nós já explicamos, enquanto as fezes de aves trazem enzimas e outros elementos corrosivos que, se permanecerem muito tempo em contato com o verniz, começam a danificá-lo. O mesmo vale para a exposição a solventes ou gasolina derramada do bocal na hora do abastecimento. A orientação de Shimozato, nesse caso, é limpar a superfície o quanto antes.

SENTE A MARESIA

A maresia também é um inimigo do carro e, depois de passar um período na praia, o recomendado é providenciar a limpeza o quanto antes.

Um vilão famoso da tinta é o piche, formado por resíduos de asfalto que literalmente "colam" na pintura, especialmente próximo às rodas e em dias mais quentes, que deixam o asfalto mais maleável. Nesses casos, ensina o especialista da Basf, a limpeza deve ser rápida. "Dá para colocar aguarraz ou outro tipo de solvente para tirar o piche, desde que em seguida você limpe bem a área com água e produto de limpeza, para não deixar resíduos", recomenda.

Shimozato também orienta remover toda sujeira mais superficial com água antes de esfregar a superfície da pintura, pois resíduos podem eventualmente ser pressionados contra o verniz, provocando riscos. Pelos mesmos motivos, ele destaca que o melhor é evitar uso frequente de lava-rápidos automatizados, daqueles com máquina de escovões, que também causam mais atrito sobre a tinta, borrachas e outros componentes, ainda mais se o veículo estiver com barro ou outras sujeiras mais pesadas.

CRISTALIZAÇÃO E POLIMENTO

Carros mais antigos inevitavelmente perdem o brilho da pintura e práticas como polimento e polimento seguido de cristalização ou vitrificação, que acrescenta uma camada protetora, podem realmente dar um aspecto renovado ao veículo.

VIA: WM1

Compartilhe:

Fotos:

DICAS PARA MANTER A PINTURA DO SEU CARRO COMO NOVA